quarta-feira, 2 de junho de 2010

O Brasil se fortalece. Só nossa mídia não vê



Enquanto a imprensa brasileira é quase sempre pessimista sobre as possibilidades do país e mal consegue esconder seu despeito com as conquistas brasileiras, a mídia internacional se encanta cada vez mais com o Brasil, e, mesmo percebendo os riscos inerentes a qualquer processo de crescimento, analisa o país com otimismo.

Dessa vez, foi a revista Fund Strategy, da City londrina, o centro financeiro da Inglaterra, que colocou na capa de sua última edição Lula como um super-homem que elevou o país a outro patamar.

O responsável pela matéria, Will Jackson, abre seu texto afirmando que “a sugestão de que o Brasil poderia ser a quinta economia do mundo poderia soar longínqua, mas a eleição de Lula inaugurou uma nova era”. Ele recorre aos dados econômicos de crescimento do PIB de 3% a 6% entre 2004 e 2008, e redução das taxas de juros em mais de 10 pontos percentuais no período, para exemplificar o desenvolvimento do país.

A matéria busca examinar as condições do Brasil de lidar com os desafios que tem à frente e traça um cenário otimista. Como afirma Robert Wood, analista senior e vice diretor de risco-país do Latin America at the Economist Intelligence Unit (EIU), em Nova Iorque, as maiores preocupações do mercado se referem à habilidade de o Brasil gerenciar o crescimento, um problema que “é um luxo de se ter.”

A matéria confirma o tratamento de marolinha que Lula deu à crise financeira do quarto trimestre de 2008, ressaltando que enquanto ela engolfou o mundo desenvolvido, não afetou tanto o progresso econômico do Brasil. O país teve uma contração do PIB para 0,2% em 2009, mas o FMI já prevê uma retomada do crescimento para 5,5% esse ano.

A revista destaca que o crescimento constante, aliado ao declínio econômico das potências mundiais, elevou a autoconfiança do Brasil, cujo maior exemplo é o desejo de Lula de levar a influência do país além de suas fronteiras.

O autor do texto cita um analista sênior de política externa na Brookings Institution, uma organização de políticas públicas baseada em Washington, sobre o significado do movimento de Lula na cena internacional. “O Brasil deixou para trás seu passado de subserviência. Em vez de se tornar uma vítima da globalização, emergiu vitorioso para clamar um papel de liderança nas questões mundiais.”

Os nossos jornalistas que vivem criticando o papel do Brasil na resolução da questão nuclear iraniana bem que podiam ouvir os analistas de mercado, que estão longe de qualquer anti-americanismo que tentam enxergar na política externa brasileira. Queiram ou não queiram, o Brasil passou a ser um ator global de primeira grandeza.

Um comentário:

  1. ALTAMIR PINHEIRO3 de junho de 2010 00:05

    Enviei um E-mail em inglês(traduzido pelo GOOGLE) a revista FUND STRATEGY THE CITY LONDON, para que esses jornalistas dessem uma passadinha nos LIXÕES de periferias das capitais brasileiras para sentirem a degradação daquele povo que brigam entre si até para levar pra casa um pedaço de carne humana de cirurgias de hospitais(restos de braços e pernas amputados); Que desse uma geral na região metropolitana de São Paulo para "in loco" averiguar que, nas calçadas, pontes, praças e marquizes da vida, à noite, dorme uma população de desbundados do porte de uma cidade como Garanhuns. povo este, sem eira e nem beira. Quanto à sua alimentaçã: ora, ora, claro que é o CRACK, COLA, MACONHA e drogas em geral; Aproveitem também o embalo e comprove o surto de DENGUE(75% da América Latina) que atinge o país. E, por incrível que pareça, as autoridades sanitárias tentam dizimá-la com um tal de carro fumacê, pode!!! E, para completar a viagem com "chave de ouro", vejam um batalhão de garupeiros de MOTOS que de três oitão nas mãos, matam seres humanos como se mata porco, bode ou gado. Tudo isso a troca de rixas bestas, débitos de drogas ou por alguns contos de rés.........

    ResponderExcluir